COSMUS – Community Schools Museums

https://youtu.be/MHo928fd2wE

COSMUS – Community School Museums

 

Valorização do património cultural europeu

Celebrando a Década Internacional para a Aproximação de Culturas 2013-2022 e identificando o ano de 2018 como o Ano Europeu do Património Cultural, a educação e a investigação têm como uma das principais responsabilidades o foco no estudo das comunidades e das suas dinâmicas na cidade (tomada de decisões, governo, planeamento, resolução de conflitos, comunidades alternativas, comunidades saudáveis, comunidades inclusivas, ecovilas, cidades de transição, etc.). Os pressupostos anteriormente nomeados permitiram construir uma narrativa museológica de trabalho, a partir do décimo primeiro objetivo para o desenvolvimento sustentável, em contexto humanista e de acordo com o Horizonte 2020: tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.

O Externato Frei Luís de Sousa, em Almada (Portugal), escola da UNESCO e membro da Rede de Escolas de Educação Intercultural, estabeleceu uma parceria com organizações nacionais e internacionais que operam no campo da educação com o intuito de desenvolver estratégias para promover a integração social, melhorar a compreensão intercultural e um sentimento de pertença a uma comunidade, reconhecendo o valor patrimonial das comunidades, focado nos contextos da escola, comunidade e cidade.

COSMUS – Community School Museums, projeto europeu 2018-1-PT01-KA201- 047472 ERASMUS+, procura valorizar o património cultural europeu como elemento central da diversidade e do diálogo intercultural. O projeto tem como visão estabelecer interações estratégicas e virtuosas, promotoras de diálogo intercultural, nos contextos escolar e comunitário, com sentido de inclusão e participação.

A missão do projeto COSMUS é estabelecer redes de aprendizagem, estimular a partilha de experiências, o desenvolvimento de competências, numa perspetiva de construção de conhecimento por via da colaboração e inovação.

Pilares de referência e eixos de ação:

• Escola – diálogo intercultural, conhecimento e cidadania;

• Comunidade – desenvolvimento social, territorial e económico;

• Museu comunitário na escola – memória, identidade e inclusão.

Mudar o mundo requer vontade, consciência e sabedoria. O projeto COSMUS pretende ser o primeiro passo para construir comunidades de aprendizagem e de prática, mobilizadas para compreender a diversidade cultural, numa perspetiva de cidadania global.

Os principais objetivos consistem em:

• Desenvolver estratégias de integração social, compreensão intercultural, sentimento de pertença e valorização das pessoas, nos contextos da escola, da comunidade e do território;

• Promover processos de aprendizagem formal e não formal através do desenvolvimento de competências em literacia digital, TIC e multimédia, bem como a correta comunicação em línguas nativas e estrangeiras;

• Sensibilizar para a responsabilidade social e cívica e empreendedorismo em ambientes culturais, estéticos e artísticos;

• Satisfazer as necessidades de formação e aprendizagem de professores e alunos de uma forma significativa e adequada, com abordagens curriculares flexíveis e transformadoras, através do trabalho colaborativo, autónomo, numa lógica de inovação, criatividade e resolução de problemas.

O projeto COSMUS congrega dez instituições europeias, numa rede de parcerias estratégicas:

– Entidades Formais: 6 Escolas (Externato Frei Luís de Sousa, Portugal – Entidade Coordenadora; Colegiul National de Arta “Octav Bancila”, Roménia; Zespol Szkolno- Przedszkolny nr 1, Polónia; Istituto Istruzione, Itália; Ismail Sefa Ozler, Turquia; Kallitehniko Gymnasio, Grécia); 1 Universidade (Escola Superior de Educação Jean Piaget), 1 Centro de Formação de Professores (Eekhout Academy, Bélgica), 2 Associações (Almada Mundo, Portugal e Meraky, Espanha),

– Entidades Não Formais: Câmara Municipal de Almada e ICOM Europa (Organização Internacional de Museus).

As seis escolas envolvem alunos, professores e famílias de forma inclusiva, em articulação com a comunidade local, nacional e internacional. Um dos desafios subjacentes a cada uma das instituições educativas passa pela construção física de um Museu Comunitário de Escola, que promova a inclusão e interculturalidade, partindo da sua realidade escolar. Outro dos desafios consiste na produção de um museu virtual, com o contributo de todas as escolas. Os alunos participam respeitando critérios de igualdade de género, inclusão social, necessidades diferenciadoras, comunidades marginalizadas, insucesso e abandono escolar e aqueles que enfrentam problemas sociais ou religiosos ou outro tipo de exclusões.

O projeto desenvolve-se com recurso a metodologias participativas, inovadoras, interdisciplinares de desenvolvimento sustentável, trabalho em equipa numa linha de investigação-ação. Procura abordagens reflexivas e significativas para fazer face a diferentes temas e problemas, através de comunidades de aprendizagem e práticas educativas, construção de conhecimento, sentido crítico, protagonismo, envolvimento e participação da comunidade educacional.

O projeto COSMUS constitui um universo de desafios a nível das competências comportamentais e emocionais (soft skills) para a promoção da interculturalidade, intergeracionalidade e da inclusão. As atividades de referência destinadas a este projeto incluem concursos, produção de conteúdos, produção intelectual, formação e aprendizagem, festivais, exposições, reuniões transnacionais e um evento multiplicador.

Estima-se obter vários resultados, tangíveis e intangíveis, com impacto na transformação e mudança consciente da relação entre as comunidades envolvidas, que serão objeto de disseminação e estudo. Os contos, canções, relatos de vida, filmes, objetos, memórias e identidades, literatura e poesia, constituem um património significativo, desenvolvido no âmbito das dinâmicas educativas dos diferentes parceiros europeus, no domínio dos museus escolares comunitários. Pretende-se, igualmente, produzir um conjunto de ferramentas que permitam construir um museu comunitário nas escolas, uma publicação física e digital com a memória descritiva e detalhada do projeto e uma plataforma digital interativa, com um repositório associado. Objetivam-se resultados intangíveis nos seguintes tópicos:

Melhoria das competências de comunicação de professores e alunos (família), através de uma plataforma digital, fomentando a linguagem e a criatividade, debate e pensamento crítico, cooperação e desenvolvimento sustentável;

Uma consciência cognitiva do mundo e o seu potencial de transformação através de uma consciência intercultural;

 Uma valorização do movimento de pessoas em escala planetária,

 Interação e inclusão de diversos grupos étnico-culturais, diferentes na sua língua, religião, costumes e tradições;

 O respeito pela diversidade cultural, contribuindo para uma educação mais humana e significativa, que valorize a diversidade da comunidade escolar e educacional;

Compreender os processos de mudança, sensibilizando para a reflexão sobre as comunidades que vivem e interagem na escola.

Promover a resolução colaborativa de problemas, em parceria com a comunidade educacional.

Em suma:

O projeto propõe-se explorar a dimensão europeia, num contexto de redes e parcerias estratégicas, promovendo a sensibilização e o desenvolvimento de atividades adequadas à construção do projeto COSMUS. O impacto esperado é significativo ao nível dos participantes diretos envolvidos, nomeadamente: professores, estudantes, comunidades, parceiros europeus, famílias e cidadãos da cidade, cujo património e contribuição cultural é reconhecido e valorizado, ampliando o impacto do projeto. É expectável que o projeto aumente o seu impacto em participantes diretos e indiretos durante seu decurso, sustentado numa informação, comunicação e disseminações contínuas e com sentido. Estima-se que os benefícios do projeto a curto, médio e longo prazo sejam muito significativos. Pretende-se desenvolver metodologias e produtos inovadores, acrescentando criatividade, imaginação e conhecimento, a partir dos diversos contributos, interações e redes estabelecidas no decurso do projeto. A construção de um museu escolar comunitário e das produções intelectuais que o suportam constituem uma inovação no setor educacional, social e cultural, inspirando a comunidade educativa a respeitar a diversidade, as memórias e identidades que pulsam no coração do COSMUS.

1 Miguel Feio – Professor do EB/Sec. e Ensino Superior.
Investigador. Gestor e consultor de projetos na área de Educação, Cultura e Património.
Coordenador Executivo do projeto ERASMUS+ – COSMUS – Community School Museums.
2 Maria Adelaide Silva – Professora e Presidente de Almada Mundo Associação Internacional de
Educação, Formação e Inovação.